Estudo do Sebrae revela que, em maio, as micro e pequenas empresas incrementaram 115% dos postos de trabalho no país.

Um estudo do Sebrae aponta que as micro e pequenas empresas (MPE) foram responsáveis pelo incremento de 115% da geração de empregos em maio, comparado a abril.

De acordo com os dados do CAGED, as MPEs geraram 182.208 novos postos de trabalho. O número é 2,5 vezes maior que o registrado pelas médias e grandes, que criaram 70,9 mil novas vagas no mês passado.

Esse é o 11º mês consecutivo que as micro e pequenas empresas apresentam um resultado positivo nas contratações no Brasil. 

“Mesmo com os fortes impactos na queda de faturamento dos pequenos negócios, causado pela pandemia de coronavírus, esse segmento tem sido o responsável pela sustentação do nível de emprego no Brasil. Prova de que devem ser mantidas políticas públicas de incentivo para os pequenos negócios, que são o motor da nossa economia e o caminho para a sua recuperação”, afirma o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

Melles ainda destaca que o peso da importância dos pequenos negócios no combate ao desemprego fica mais evidente quando se analisa o acumulado de 2021. 

Nos cinco primeiros meses deste ano, as micro e pequenas empresas foram responsáveis por 858.419 novos postos de trabalho, contra 279.195 das médias e grandes. “Isso significa que para cada posto de trabalho gerado por uma média ou grande empresa, as micro e pequenas criam três vagas”, acrescenta.

No mesmo período, as empresas brasileiras demitiram um total de 932.134 trabalhadores e geraram 889.677 postos de trabalho. 

A análise mensal mostra uma ligeira retomada ao patamar de 300 mil contratações por mês, após uma queda no ritmo de novas carteiras de trabalho assinadas, registrada nos meses de março e abril.

Vagas por setores

A análise setorial mostra que todas as micro e pequenas empresas, independentemente de setor, apresentaram um saldo positivo na geração de empregos, sendo serviços (um dos mais afetados pela pandemia), o que mais criou novas vagas: 78,6 mil. Em seguida, aparecem o setor do comércio, com 51,4; seguido pela construção civil com 25 mil e Indústria da Transformação, 21 mil.

Em relação às unidades da Federação, São Paulo foi o estado que criou mais vagas em números absolutos (50,2 mil), seguido por Minas Gerais (20,7 mil) e Rio de Janeiro (14,4 mil). Em uma análise comparativa, levando em consideração a proporção do número de habitantes, o Amazonas assume a liderança com um saldo 19,8 empregos a cada mil habitantes. Em segundo lugar está o Pará com 15,5 e logo em seguida, Piauí com 14,34.

fonte: https://www.contabeis.com.br/noticias/47767/pequenos-negocios-geraram-mais-de-180-mil-empregos-em-maio/