Taxa selic, inflação PIB, Política, Reformas Economicas, o que podemos esperar de 2021.

Vamos falar sobre 2021, porém para uma melhor analise, preciso iniciar este artigo olhando primeiro para o retrovisor analisando o que ocorreu em 2020, e depois projetar as principais oportunidades e ameaças para o ano de 2021. Primeiramente vale destacar que é praticamente impossível termos no ano de 2021, um desempenho tão ruim da economia quanto neste ano de 2020, afinal de contas enfrentamos a maior crise da história mundial, enfrentamos um vírus que vitimou muitas pessoas, e que fez o mundo enfrentar a maior crise de saúde e econômica da história. Por outro lado, nunca os governos mundiais, e nunca as empresas reagiram de forma tão rápida no enfrentamento da crise, isso sem duvidas reflexos dos aprendizados principalmente com a crise de 2008, onde por exemplo os Estados Unidos tiveram que socorrer o sistema financeiro e as empresas, para que a economia mundial não quebrasse. Claro, que devemos levar em conta que as origens de ambas as crises foram totalmente diferentes, em 2008 a crise iniciou no sistema financeiro americano, e rapidamente contaminou todo o sistema financeiro mundial. Desta vez uma crise provocada por um vírus que surgiu na China e que rapidamente se espalhou de forma assustadora por todo o mundo, exigindo dos governos dos vários países medidas duras de isolamento social, e uma corrida histórica na história da ciência mundial para conseguir produzir uma vacina contra o COVID-19. Vivemos no inicio deste ano um período de grande incerteza, de fechamento de indústrias, fechamento do comércio, isolamento social, vivemos uma crise que além de vitimar pessoas, vitimou também empresas. Porém algumas medidas do governo foram fundamentais para minimizar os efeitos desta crise, destaco aqui a flexibilização das leis trabalhistas, que permitiram as empresas reduzirem seus custos com pessoal sem a necessidade de demitir pessoas, e o auxilio emergencial que injetou cerca de R$ 140.000.000 (cento e quarenta bilhões de reais) na economia brasileira. O ano de 2020 foi um ano de grandes transformações para as empresas, onde algumas conseguiram se adaptar com maior velocidade ao novo normal e algumas tiveram mais dificuldades para isso, e sofreram maiores consequências em seus negócios, foi um ano em que descobrimos novas formas de nos comunicar, novas formas de adquirir produtos, e novas formas de nos relacionarmos. E o mais importante tudo isso aconteceu sem nenhuma grande invenção tecnológica, isto aconteceu por uma mudança cultural da sociedade. Nenhum dos aplicativos que passaram a fazer parte do nosso dia a dia foi inventado agora, ifood, zoom, whats, e todos os demais aplicativos que passaram a fazer parte da nossa rotina já existem a muito tempo.

Quando falamos mais especificamente sobre economia, a surpresa positiva, na minha opinião a taxa selic a 2% ao ano. Isto faz com que o comportamento da economia no país mude por completo. Se fizemos uma comparação há pouquíssimo tempo atrás a taxa selic no país era de 14% ao ano, agora analisem comigo, quantas empresas no país ao final de um ano geravam um lucro líquido acima de 14%? Poucas empresas, isto sem falar que devido aos riscos que uma empresa corre, como por exemplo o risco de ações trabalhista, existe uma regra no mercado de que para uma empresa valer a pena, ela deve ter um resultado que seja 2 vezes o resultado do valor da Selic, ou seja 28% de lucro, aí fora o sistema bancário, poucas empresas conseguiam entregar este resultado, então neste caso o investidor preferia manter seu dinheiro aplicado. Agora se utilizarmos estes mesmos parâmetros que usei acima e trazermos para uma comparação de uma taxa Selic de 2% ao ano, vale muito mais apena para o investidor criar uma empresa por exemplo do que manter seu dinheiro aplicado. Falo aqui de aplicações seguras, existem sim no mercado opções de investimentos atraentes também.

E quando tornamos tangíveis estas informações, tivemos em 2020 apesar de toda a crise que enfrentamos alguns números surpreendes, tais como: A Black Friday deste ano, mesmo em plena pandemia foi 31,4% superior a de 2020. O financiamento imobiliário cresceu este ano 39,8%, e a bolsa de valores esta acima dos 110.000 pontos, provavelmente em março ou abril era inimaginável pensar em números como esses.

Mas alguns indicadores econômicos nos chamam a atenção e geram um certo cuidado para o ano de 2021, o IGPM já cresceu 24,3% este ano, impactado principalmente pela alta do dólar, e pela falta de insumos para a produção, e aqui se aplica a logica da economia de que quando a demanda é maior do que a oferta os preços sobem. O grande problema é se em algum momento esta alta no IGPM começar a ser transferida para o IPCA, que este ano está acumulado em 3,1%, porque aí poderemos ter um cenário de inflação, e num cenário de inflação um dos principais meios utilizados pelo Banco Central para corrigir este problema é o aumento da taxa selic.

Entre noticias boas e noticias que geram certa apreensão no mercado, será de extrema importância neste ano a articulação política do governo Bolsonaro, para que hajam finalmente as privatizações que foram prometidas, que uma boa reforma administrativa seja aprovada no congresso, e também a reforma tributária, porque o país precisa inverter a tendência de crescimento de sua divida publica, que neste ano deve atingir o equivalente a 90% do PIB Brasileiro. Com a chegada da vacina contra o covid-19 chegando ao país no primeiro trimestre do ano que vem, e com as reformas necessárias, teremos principalmente a partir do segundo trimestre do ano que vem, um 2021 muito promissor.

fonte: https://administradores.com.br/artigos/o-que-esperar-da-economia-em-2021