Não gaste seus esforços para tentar convencer alguém a receber mais do que o solicitado

istock

Quantas vezes em nossas atividades não somos perfeccionistas em excesso? Vou dizer uma coisa que talvez pareça contraditório, mas a minha experiência diz que não é: esse tipo de atitude não necessariamente gera os resultados esperados. Muito pelo contrário! Pode até atrapalhar.

Vou dar um exemplo. Certa vez, em uma empresa onde eu trabalhava, o presidente pediu para um diretor um slide com uma análise dos preços médios de determinado período. O diretor quis fazer média e já encomendou ao supervisor um estudo completo dos preços médios, com análise de variações tributárias e várias outras informações adicionais. A bomba foi repassada aos analistas, que quase enlouqueceram levantando os dados às pressas para apresentá-los a tempo. O resultado? Ao receber o relatório, o presidente resmungou: “mas eu só queria os preços médios”.

Nessa história, houve uma gigantesca perda de tempo e muito estresse envolvendo vários funcionários para entregar uma coisa que sequer havia sido solicitada. Claro que precisamos nos empenhar para entregar sempre o nosso melhor, seja para um líder ou para um cliente. No entanto, é necessário ter muito cuidado para fornecer sempre o que foi pedido, sem excessos, os quais não necessariamente são relevantes. Se alguém solicita algo na qualidade “normal”, não há motivos de entregarmos um produto “premium”. Afinal, a pessoa não está disposta a pagar a mais por isso e você e sua empresa perderão tempo e dinheiro com essa solução.

Em muitos casos, você pode se enrolar tanto que sequer será capaz de entregar qualquer coisa. Tudo por ficar ainda pior. Sabe como? Gastando seus esforços para tentar convencer alguém a receber mais do que o solicitado. Na minha atividade como palestrante, por exemplo, se um cliente me deixa claro que deseja que uma palestra sobre negociação, eu jamais irei sugerir um conteúdo com horas e horas falando sobre precificação. Não faz sentido.

O cliente já tinha claro o que queria, por que eu deveria gastar tempo tentando convencê-lo do contrário? Por isso digo que o ótimo é inimigo do bom: pois, na tentativa de fazer o ótimo, pode acabar não fazendo nada, enquanto poderia simplesmente ter realizado o que foi solicitado. Ou seja, o bom.

Carlos Titton é palestrante, facilitador em treinamentos e professor nos cursos de MBA e Pós-Graduação da FAAP, Saint Paul e FIA/SP em disciplinas de vendas, estratégia e gestão de negócios.

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/carreira/o-otimo-e-inimigo-do-bom/125014/