As famílias com renda mais elevada tiveram maior impacto da inflação no segundo mês do ano.

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda, instituto vinculado ao Ministério da Economia, apontou uma aceleração inflacionária no mês de fevereiro deste ano para todas as faixas de renda no país.

No período analisado, as famílias com renda mais elevada sentiram que foram as mais afetadas com a inflação e registraram a maior alta, passando de 0,34% em janeiro para 1,07% em fevereiro.

Divulgado na última quarta-feira (16), o estudo mostrou que as famílias de renda média-baixa tiveram a menor taxa de inflação no mês, com apenas 0,93%.

Analisando o acumulado dos últimos 12 meses, as famílias de renda muito baixa foram as mais impactadas, possuindo a maior alta inflacionária, atingindo a taxa de 10,9%. 

Responsáveis pelo aumento inflacionário

Em fevereiro, o aumento da inflação foi puxado pela elevação nos preços dos grupos de alimentos e bebidas, principal responsável pela pressão inflacionária das famílias de baixa renda.

Segundo o Ipea, o impacto da inflação veio de uma outra fonte para famílias de renda mais alta, puxada pelo reajuste das mensalidades escolares e cursos extracurriculares.

Para famílias de renda alta (maior que R$17.764,49), os reajustes nos transportes por aplicativo, escolares e pacotes de viagem foram os pontos de pressão inflacionários.

“Embora as principais altas estejam concentradas nos grupos alimentação e educação, houve um aumento de preços mais generalizado em fevereiro, tendo em vista que todos os grupos exerceram uma pressão altista em todos os segmentos de renda”, afirmou em nota a pesquisadora do Ipea e autora do indicador, Maria Andréia Parente Lameiras.

Em comparação a 2021, as famílias das faixas de renda média e média-alta tiveram estabilidade, já as demais classes estão sendo impactadas pela aceleração da inflação neste ano.

FONTE: https://www.contabeis.com.br/noticias/50839/inflacao-acelera-em-fevereiro/